Hepatite B: Como se Pega Transmissão e Prevenção. Tem cura?



Veja como se pega transmissão da Hepatite B e prevenção. Veja se tem cura com o tratamento.

O que é

A hepatite (hepatos:fígado; ite:sufixo que indica inflamação) faz referência a uma classe de doenças que acometem o fígado, órgão do corpo humano responsável por diversas funções como o metabolismo de substâncias químicas e produção da bile.

A hepatite pode ser classificada e dividida em 5 tipos (A,B,C,D e E), de acordo com o tipo de vírus (ou bactéria) que protagonizou o processo de infecção.

Nesse artigo, faz-se uma discussão em particular sobre a hepatite tipo B.

Hepatite tipo B

Esta doença é causada pelo vírus tipo B.

No corpo do ser humano , o vírus tipo B se multiplica no fígado, apesar de estar presente no sangue, o que torna possível sua identificação no organismo através de um hemograma que detecte ou o próprio vírus no sangue ou os anticorpos que combatem esse vírus, indicando que há um processo de infecção viral em curso.

Transmissão

Como o vírus tipo B está presente no sangue do organismo contaminado, deve-se prever que uma primeira forma de transmissão da hepatite B seja o contato sanguíneo entre um portador do vírus e um não portador do vírus.

Essa forma de transmissão traz à tona uma série de cuidados que devem ser tomados, sobretudo por profissionais que de alguma forma tem contato com sangue em seu trabalho (como profissionais da saúde, por exemplo).

Notar que até mesmo atividades corriqueiras como a ida à manicure, realização de tatuagens e sessões de acupuntura devem ter cuidados especiais de esterilização de materiais, afim de que se evite contaminação de pacientes por doenças como a hepatite B a partir do compartilhamento de instrumentos utilizados nessas atividades.

Pode-se ainda pensar que deve haver um controle nos processos de transfusão de sangue e doação de órgãos, a fim de que se evite o contágio de indivíduos saudáveis.

Após 1992, uma lei que estabelece a obrigatoriedade de análise do sangue a ser doado reduziu drasticamente o número de infectados por esta doença no recebimento de sangue.

Possui uma relação natural com usuários de drogas, visto que no uso de drogas como cocaína e heroína, há o compartilhamento de seringas, o que acaba promovendo a contaminação dos usuários.

Ainda sim, o contágio pode se dar através do ato sexual, pois o vírus tipo B se apresenta em grandes concentrações no fluido da vagina e no sêmen, o que faz com que a hepatite B seja considerada uma DST – Doença Sexualmente Transmissível.

Outros fluidos corpóreos, como o próprio leite materno, podem ser vias de transmissão do vírus tipo B.

No caso materno em específico, a contaminação pode se dar, como previamente citado, através da amamentação ou ainda no momento do parto.

Logo, mostra-se extremamente necessário o acompanhamento médico e realização de exames pré-natal para evitar a contaminação da criança.

Vale ressaltar que o beijo, compartilhamento de objetos pessoais e tosse não se caracterizam como formas de transmissão da doença.

Sintomas da Hepatite B

Uma vez contaminado, o vírus se instala no fígado, onde se aproveita de todo aparato bioquímico do corpo para se reproduzir, produzindo proteínas virais e novos vírus.



Esse período de instalação é conhecido como período de incubação variando de 30 a 180 dias.

coceira no corpo fezes claras pcr quantitativo ictericia carcinoma hepatocelular

Em geral o período de incubação é assintomático, mas após esse período, se inicia a fase aguda da doença, responsável por sintomas como febre, cansaço físico excessivo, dores na região abdominal, falta de apetite, aspecto amarelado da pele e dos olhos, urina de cor escura e náuseas.

Caso o corpo não consiga combater a infecção através de seus mecanismos de defesa, a doença acaba evoluindo para a fase crônica, onde a gravidade é acentuada e há o risco de complicações sérias, como cirrose, câncer de fígado, danos no cérebro, acúmulo de líquido na cavidade abdominal e insuficiência hepática.

Tratamento da Hepatite B

Esta doença tem cura.

A maioria dos infectados pelo vírus tipo B consegue lutar contra a infecção a partir do próprio sistema de defesa do corpo – sistema imunológico.

No entanto, para a fase aguda da doença, os cuidados são ditos paliativos, ou seja, o tratamento visa amenizar os sintomas e controlá-los.

Na fase crônica, o tratamento se dá através do uso de agentes antivirais, que combaterão a infecção viral junto com o sistema imunológico.

Prevenção

Mostram-se eficientes o uso de preservativo nas relações sexuais, o não compartilhamento de seringas e sim o uso de seringas descartáveis, análise do sangue a ser disponibilizado para transfusão e dos órgãos doados, exame pré-natal e orientação da mãe, esterilização adequada de instrumentos invasivos como alicates de unha e agulhas de acupuntura.

A principal e mais eficiente forma de prevenção é a vacina contra o vírus tipo B.

A vacina é composta por vírus inativados do tipo B(são os chamados HBs).

Esses vírus acabam sendo reconhecidos pelo corpo como antígeno, e imediatamente induzem a produção de anticorpos contra o vírus.

Esses anticorpos recebem o nome de anti-HBs e seu nível é medido através de um hemograma. Assim para um resultado positivo informado pela análise laboratorial de forma quantitativa se apresenta desta forma normalmente: Anti-HBs – Positivo 80,o mUI/ml e na frente ou logo abaixo os valores de referência (não reagente ou negativo = menor que 10 mUI/ml, e reagente ou positivo = acima de 10 mUI/ml). Desta forma este resultado é positivo, está com resultado superior a 10 mUI/ml o que capacita imunidade contra o vírus da hepatite B.

Notar que pode haver necessidade de reforço da vacina.

Hepatite A

É uma inflamação do fígado causada por um vírus, na maioria das situações tem um desenvolvimento benigno, desenvolvendo para a cura natural em mais de 90% das ações.

Hepatite C

É uma doença viral que leva à inflamação do fígado e dificilmente provoca sintomas mas é considerado o pior tipo de hepatite.

Clique aqui agora para ver outros tipos de Hepatite no organismo humano