Gordura no Fígado: Sintomas, Fotos, Chá para tratar e Dieta.



Veja se é grave a Gordura no Fígado. Veja o chá para tratar e dieta. Grau 2 é perigoso ?

O que é

Gordura no fígado e fígado gorduroso são nomes populares para uma doença tecnicamente descrita como esteatose hepática ou doença hepática gordurosa.

Notar que, como é comum no campo das ciências, a etimologia das palavras esteatose hepática nos dizem muito sobre a doença.

Hepatos significa fígado, e esteato faz referência ao tecido gorduroso.

O fígado possui uma reserva natural de gordura, mas a doença se caracteriza quando há o acúmulo anormal e excessivo de gordura, formando grandes vesículas preenchidas com esse material gorduroso.

O acúmulo anormal de gordura é relativamente frequente na população, e ao contrário do que se pensava à anos atrás, não é estritamente causado pelo abuso do álcool, pois existe uma série de outros fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença.

Tipos

Os tipos de esteatose hepática se diferenciam principalmente quanto à gravidade.

Pode-se prever que quanto maior a quantidade de gordura em excesso acumulada no fígado, mais grave tende a ser o quadro clínico do paciente.

Dessa forma, torna-se extremamente conveniente subdividir a doença de acordo com a sua gravidade: chama-se de esteatose hepática leve de grau 1 o quadro no qual a gordura acumulada no fígado ultrapassa 10% do seu peso total.

A esteatose hepática de grau 2 e de grau 3 consiste em um acúmulo maior de gordura no fígado, aumentando a gravidade dos casos.

Causas

Ao contrário do que se pensava antes, a esteatose hepática não é causada apenas pelo álcool.

Existe uma série de outros fatores considerados responsáveis pelo desenvolvimento da doença, como uso de drogas corticoides, colesterol elevado, sobrepeso, diabetes e hepatites causadas por vírus.

Sintomas da Gordura no Fígado

Os sintomas relacionados à doença são principalmente diarreia, enjoo, dor de cabeça, cansaço excessivo e dor localizada na região abdominal.

Encontra-se online várias fotos dos sintomas desta doença.

O acúmulo de gordura no fígado pode danificar as células hepáticas (hepatócitos), possivelmente promovendo formação de fibrose hepática, conhecida como cirrose.

Nesses casos, há um agravamento considerável no quadro clínico do paciente, de modo que os sintomas tornam-se mais evidentes, mais graves e menos reversíveis, como perda de massa muscular, hemorragia interna, confusão mental, inchaço do fígado e amarelamento da pele e dos olhos.

As complicações ocorrem como uma reação em cadeia: o acúmulo de gordura faz com que o fígado não funcione de maneira correta, filtrando impurezas e produzindo substâncias como deveria.



Com a deficiência funcional do fígado, haverá um acúmulo de toxinas no sangue, como a amônia.

A amônia, sabidamente uma substância com características químicas básicas, altera o equilíbrio ácido-base do sangue, sendo prejudicial ao corpo.

Ainda sim, o fígado pode deixar de produzir fatores de coagulação, estando portanto o paciente suscetível a hemorragias mortais.

folhas verdes feijao canela alcachofra espinheira santa dente de leao legumes alho cebola acafrao semente de linhaca

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito por testes clínicos, como um hemograma (exame de sangue) que seja capaz de detectar níveis de enzimas produzidas pelo fígado.

Caso esses níveis estejam alterados, pode-se investigar a presença de gordura excessiva no fígado através de exames laboratoriais de imagem, como ultrassonografias de alta resolução, tomografias computadorizadas e ressonâncias magnéticas.

Tratamento da Gordura no Fígado

O acúmulo de gordura é perigoso caso esteja acima do recomendado.

Nesse ponto, é importante destacar que o acúmulo de gordura em si não tem tratamento; o tratamento da doença perpassa pela identificação das causas que possivelmente promoveram o desenvolvimento da doença para tentar, assim, frear o acúmulo de gordura e diminuir o nível dela no fígado.

Portanto, para esteatose hepática causada pelo álcool, recomenda-se a abolição do consumo deste.

Notar que pode haver necessidade de acompanhamento psicológico, visto que a retirada abrupta do álcool da rotina do consumidor pode provocar crises de abstinência.

Para esteatose hepática causada por obesidade,  recomenda-se a diminuição dos níveis de colesterol no sangue.

É crucial entender que a diminuição desses níveis de gorduras corporais passa obrigatoriamente pela realização de uma dieta específica e de uma rotina de exercícios físicos.

É um tratamento natural e que não envolve o uso de remédios.

As dietas realizadas não devem ser radicais ou restritivas, pois pode provocar uma piora no quadro.

Em caso de dúvidas, procure um médico nutrólogo, um nutricionista ou um médico endocrinologista.

Para esteatose hepática causada por medicamentos, recomenda-se a substituição do remédio que provavelmente desencadeou a doença.

Clique aqui agora para ver como tratar a Hemorroida de grau 1, interna e na gravidez